Terca-Feira, 31 de Marco de 2020

1,2 mil servidores mortos receberam mais de R$ 14 milhões do Governo de MT




COMPARTILHE

Uma festa do além, assim pode serem deduzidas as informações, de uma matéria produzida por um dos maiores sites de noticias, do Estado de Mato Grosso.

Segundo a matéria do Midia News, publicada na quarta feira, dia 31/072013 ás 07h45, em cinco anos o Governo de Mato Grosso, já pagou R$ 14,714 milhões para 1.205 servidores aposentados e pensionistas já falecidos.

De acordo com matéria, o entrave da maquina é grande, pois o principal fator de inoperância não são os saques irregulares, quando uma pessoa utiliza o cartão e a senha do falecido pode ser responsabilizada, e sim o envio de pagamento para as contas dos servidores falecidos, deixando o dinheiro nas contas, sem nenhuma utilização, ou seja, a falta evolução do sistema de dados da gestão estadual, faz com que os montantes fiquem depositados sem nenhuma utilização, provando assim que o governo do estado possa não ter controle sobre seus pagamentos.

Veja a matéria do Mídia News

Governo "paga" R$ 14 milhões a 1,2 mil servidores mortos

Em cinco anos, o Governo de Mato Grosso pagou R$ 14,714 milhões para 1.205 servidores aposentados e pensionistas já falecidos.

O levantamento foi realizado pela Auditoria Geral do Estado (AGE), em agosto de 2012, ter detectado 236 servidores que já tinham morrido, no entanto, o salário foi encaminhado para o Banco do Brasil.

Para chegar a essa conclusão, auditores cruzaram as informações do Data SUS, do Sistema de Óbitos do Ministério da Previdência e do sistema de pessoal do Governo do Estado e detectou o número de repasses feito ao banco. Depois, resolveram retroagir em cinco anos e chegaram aos 1.205 servidores falecidos.

O auditor-geral José Alves Pereira Filho estima que 90% do dinheiro pago a servidores falecidos ainda devem estar na conta corrente.

Uma amostragem com nomes de 49 desses servidores foi encaminhada para o Banco do Brasil e foi verificado que o dinheiro estava na conta, sem movimentação.

“O Banco do Brasil tem 60 dias para devolver esse dinheiro. O banco vai checar os casos em que houve saques irregulares”, explicou. "O Banco do Brasil tem 60 dias para devolver esse dinheiro. O banco vai checar os casos em que houve saques irregulares"

O BB exigiu as declarações de óbito para devolver o dinheiro aos cofres públicos. Cerca de 900 declarações já foram encaminhadas.

Os 305 casos restantes, o Governo busca junto aos cartórios as certidões que confirmem a morte dos servidores.

Saques irregulares

Caso sejam detectados saques irregulares, a pessoa que utilizou o cartão e a senha do idoso pode ser responsabilizada. O Estado aguarda o relatório do banco para tomar as providências cabíveis.

Um caminho é a Procuradoria Geral do Estado (PGE) pedir a devolução do dinheiro ou repassar o caso para a Delegacia Fazendária, para que a pessoa possa responder pelo crime de apropriação indébita.

De acordo com o levantamento da AGE, o Governo fez de um a mais de 20 repasses, até descobrir que a pessoa tinha vindo a óbito.

Em 129 ocorrências, foram feitas mais de 20 remessas, mas em 31% dos casos foram apenas uma, até constatar a morte.

O auditor-geral explicou que, geralmente quando há pensionistas, esposa, marido, filhos até 18 anos de servidor público falecido, o Estado é avisado rapidamente sobre a morte do aposentado.

Todos os meses, a AGE tem feito a checagem, por meio de cruzamento de dados, e tem evitado a remessa de dinheiro para servidores já falecidos.

Somente na folha deste mês, por exemplo, checou-se que 110 servidores públicos morreram e R$ 335 mil deixaram de ser depositados nessas contas. Em junho, foram 69 ocorrências e R$ 172 mil a menos.

O Estado de Mato Grosso tem cerca de 100 mil pessoas na folha do pagamento, cerca de 70% delas estão na ativa entre funcionários públicos de carreira e os que detêm cargo de confiança.

 

Veja  Aqui a matéria completa do Mídia News 


Autor:Jornal da Noticia com Assessoria


Comentários
O Jornal da Notícia não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros.

Nome:
E-mail:
Mensagem:
 



Copyright - Jornal da Noticia e um meio de comunicacao de propriedade da AMZ Ltda.
Para reproduzir as materias e necessario apenas dar credito a Central AMZ de Noticias

<